Confira os fatos e as pessoas que marcaram o ano de 1986

Confira os fatos e as pessoas que marcaram o ano de 1986

Eleito primeiro presidente civil depois de duas décadas de regime militar, o ex-governador de Minas Gerais Tancredo Neves faleceu sem tomar posse. Com fortes dores abdominais, Tancredo foi internado no dia anterior à posse, deixando o Brasil inteiro preocupado. Diversas teorias da conspiração foram criadas em virtude desse fato. Com a morte de Tancredo, quem acabou tomando assumindo a Presidência da República foi o vice-presidente José Sarney.

A inflação era um problema crônico no Brasil naquela época (só para se ter uma ideia, a de 1984 bateu na casa dos 230%). Com vistas a eliminar esse mal, o presidente empossado José Sarney lançou um conjunto de medidas chamado Plano Cruzado. Além da substituição da moeda nacional, foi implantado um rígido controle de preços. Mobilizada, a população fez questão de denunciar os estabelecimentos que praticavam aumentos abusivos de preços. E o que aconteceu foi que nem o governo, nem os chamados “fiscais do Sarney” conseguiram evitar o desabastecimento. As prateleiras dos supermercados ficaram vazias e, aos poucos, a inflação voltou a atormentar o brasileiro.

Depois de 76 anos, o cometa Halley passou perto da Terra, causando grande sensação na população em geral. O espetáculo celeste que todos queriam apreciar, no entanto, se transformou numa grande decepção. Invisível a olho nu, o cometa só pode ser apreciado por telescópios potentes.

Ocorrida em 26 de abril, a explosão na central nuclear da usina de Chernobyl, localizada na então União Soviética (hoje território ucraniano), se transformou no maior acidente nuclear da história. Uma cidade inteira teve que ser evacuada em virtude da radiação. O governo soviético admitiu 15 mil mortes em decorrência do acidente e de doenças provocadas pela radiação, mas acredita-se que esse número tenha sido muito maior: 80 mil.

Outra tragédia que marcou 1986 (sem o tamanho e o impacto de Chernobyl, é claro) foi a explosão do ônibus espacial Challenger. A Challenger pertencia a uma categoria de naves que retornavam à Terra depois de passarem dias em missões no espaço. Foi lançada pela primeira vez no começo da década de 1980. Explodiu durante o retorno de uma missão, matando todos sete os tripulantes.

As personalidades mais comentadas no Brasil em 1986 foram o falecido presidente Tancredo Neves (que, como vimos, morreu sem tomar posse), a apresentadora de TV Xuxa Meneghel, o astro de futebol argentino Diego Maradona e as atrizes Marcélia Cartaxo e Fernanda Torres.

Com uma excelente atuação do jogador Diego Maradona, a Argentina venceu a Copa do Mundo de 1986, realizada no México. A então Alemanha Ocidental ficou em segundo lugar e a França, o terceiro. O Brasil terminou o torneio na quinta colocação.

Com o disco Xou da Xuxa, a apresentadora Xuxa Meneghel vendeu por volta de 2,7 milhões de unidades. As 2,5 milhões de cópias do álbum Radio Pirata ao Vivo tornaram o grupo RPM o segundo maior vendedor de discos da época. Lançado em junho de 1986, o álbum Cabeça Dinossauro, do grupo Titãs, teve 11 das suas 12 faixas nas paradas de sucesso. Ele é até hoje considerado pelos críticos um clássico do rock nacional.

Entre os hits mais tocados da época estão Nikita, de Elton John; Take my Breath Away, do Berlim; Sina, de Djavan; London London, do RPM; Polícia, do Titãs; Demais, de Verônica Sabino e Greatest Love of All, de Whitney Houston. Vale lembrar também do mega-sucesso He-Man, do grupo musical infantil Trem da Alegria.

A principal estreia na TV em 1986 foi o programa global Xou da Xuxa, com a ex-apresentadora da TV Manchete Xuxa Meneghel. Com apresentações musicais e gincanas intercaladas com a exibição de desenhos animados, o programa conquistou a garotada quase instantaneamente. O álbum Xou da Xuxa, com as principais musicas do programa, vendeu quase 3 milhões de cópias. Aproveitando o sucesso de He-Man, exibido no final do programa, o grupo Trem da Alegria lançou uma música sobre o desenho animado.

As novelas exibidas pela Rede Globo em 1986 foram Cambalacho, Roda de Fogo e Selva de Pedra – um remake de Janete Clair estrelado pelos atores Fernanda Torres e Tony Ramos. Um dos maiores sucessos da época foi a minissérie Anos Dourados, de Gilberto Braga, com a dupla de atores Malu Mader e Felipe Camargo. Apesar do sucesso mais modesto, a minissérie Memórias de um Gigolô, uma adaptação da obra de Marcos Rey, com Ney Latorraca, Bruna Lombardi e Lauro Corona no elenco, acabou marcando o período.

Com cenas de nudez de Maitê Proença, a novela Dona Beija angariou uma audiência inesperada para a TV Manchete. Dirigida por Herval Rossano e escrita por Wilson Aguiar, Dona Beija contou também com Grancindo Júnior, Arlete Salles, Sérgio Mamberti e Renato Borghi no elenco.

Aproveitando todo o modismo gerado pela passagem do cometa Halley, os humoristas do programa Os Trapalhões lançaram o filme Os Trapalhões no Rabo do Cometa. A Copa do Mundo do México inspirou outra produção: Os Trapalhões e o Rei do Futebol. Entre os filmes estrangeiros, chegaram aos cinemas as seguintes produções: 9 ½ Semanas de Amor, A Encruzilhada, Crocodilo Dundee (uma produção australiana), A Mosca, Curtindo a Vida Adoidado, Ases Indomáveis, Entre Dois Amores, O Nome da Rosa, O Rapto do Menino Dourado, Conta Comigo, Platoon, Highlander, o Guerreiro Imortal e Aliens, o Resgate.

A Insustentável Leveza do Ser, do tcheco Milan Kundera, foi um dos livros de maior vendagem em 1986. Também tiveram vendagem expressiva os seguintes livros: Cem Dias entre Céu e Mar, de Amyr Klink; Olga, de Fernando Morais; Se Houver Amanhã, de Sidney Sheldon, O Amante, de Marguerite Duras; O Sétimo Segredo, de Irving Wallace; Uma Autobiografia, de Lee Iacocca; O Amor nos Tempos do Cólera, de Gabriel Garcia Márquez; Brasil Nunca Mais, de Dom Paulo Evaristo Arns; Só é Gordo Quem Quer, de José Uchôa Jr.; Bufo & Spallanzani, de Rube Fonseca.

Com a reserva de mercado (uma política criada pelo governo federal com vistas a privilegiar os produtos de informática produzidos no país), os brasileiros só podiam usar computadores de marcas nacionais como Edisa, Prológica, Scopus e SID Informática. A internet era ainda inacessível para a maioria das pessoas (na verdade, ela era desconhecida) e poucos tinham computador em casa.

Moças usavam batons Boka Loka e perfumes L´arc en Ciel. Rapaz gostavam de tênis M200, botas Kildare e jeans Wrangler. Os jovens mais endinheirados curtiam marcas de vestuário francesas como Pierre Cardin e Yvez Saint-Laurent.

As crianças assistiam o desenho He-Man, exibido no programa Xou da Xuxa. As meninas gostavam especialmente da linha de brinquedos dos Ursinhos Carinhos. A marca de videogame predileta dos adolescentes era a Atari.

Os automóveis que circulavam nas ruas brasileiras (detalhe: a abertura ao importados só ocorreu no início dos anos 1990): Del Rey (Ford), Escort (Ford), Belina (Ford), Elba (Fiat), Monza (General Motors), Uno (Fiat), Gol (Volkswagen), Parati (Volkswagen), Voyage (Volkswagen) e Fusca (Volkswagen). O Fusca deixou de ser fabricado no Brasil em 1986.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *