22 Curiosidades sobre a gastronomia italiana que vão te deixar com água na boca

curiosidades-culinaria-italiana

Em primeiro lugar, temos que lembrar que não existe uma culinária italiana. O mais correto seria afirmar que existem “diversas culinárias” italianas. Um prato servido na Sicília nem sempre é encontrado em Roma.

Em segundo, convém explicar que alguns pratos considerados italianos em outros países não são italianos, mas adaptações locais da cozinha feita na Itália.

Você dificilmente encontrará o presunto de parma, que é muito conhecido no Brasil, na região da Toscana. Cada região produz o seu próprio presunto, como o de Modena, Norcia etc.

A palavra macarrão (macaronis) surgiu do verbo maccari, de um antigo dialeto da Sicília, e significa “achatar”. Detalhe: maccari vem do grego makar, que quer dizer “sagrado”.

As pizzas de antigamente eram quadradas e comidas como um sanduíche. Os primeiros a acrescentar molho de tomate e orégano à massa foram os napolitanos. Aliás, foi em Nápoles que nasceu a primeira pizza redonda de que se tem notícias. O inventor foi o pizzaiolo Rafaelle Sposito, que usou as cores da bandeira italiana – o branco do queijo, o verde do manjericão e o vermelho do tomate – e lhe deu o nome de Margherita, em homenagem à rainha de mesmo nome.

Uma das sobremesas mais consumidas pelos italianos é o tiramisu. Provavelmente originária da região do Vêneto, é preparado com biscoitos do tipo champagne embebidos em café, além de outros ingredientes. O nome dessa delícia vem da expressão em italiano “tirami su”, que significa “jogue-me para cima”.

O sorvete napolitano não foi criado em Nápoles, mas nos Estados Unidos. Ele foi inspirado nos bolos de sorvete de três camadas inventados por Giuseppe Tortoni, um napolitano dono do Café Tortoni, uma casa localizada em Paris.

O gelato é preparado de modo artesanal – sem conservantes ou corantes artificiais, cabe aqui frisar – e dura apenas alguns dias. Não pode ser congelado. O detalhe é que o gelato possui em torno de 60% menos gordura do que o sorvete. Por falar nisso…

Você sabia que essa história de preparar sorvete é tão séria na Itália que existe até uma universidade do sorvete? Localizada na cidade de Bolonha, ela foi fundada pela principal fabricante de máquinas para gelateria, a Carpigiani.

A ricota não é um queijo como a mussarela, o gorgonzola e outros que nós conhecemos muito bem. Ela é um derivado do processo dos queijos produzido com o soro do leite desnatado e sem maturação alguma.

A sala caprese não tem nada a ver com o queijo de cabra (ou capra, em italiano). A mistura de tomates e folhas de manjericão com mussarela leva esse nome porque foi inventada na ilha de Capri.

Os italianos não comem spaghetti à bolonhesa. Para eles, o molho do tipo bolonhesa cai bem mesmo é com a massa do tipo tagliatelle.

Acredite se quiser, mas existem mais de 300 tipos de massas na Itália (alguns dizem que são 450 tipos), cada uma com um molho diferente.

Em média, um italiano come em torno de 24 quilos de pasta por ano.

Outra: os italianos consomem cerca de 14 litros de azeite por ano.

Os italianos não costumam comprar alimentos nos supermercados. Pode ser trabalhoso, mas eles preferem adquirir a carne no açougue, o pão no padeiro etc. Talvez porque prezem a qualidade e, principalmente, a garantia de que estão adquirindo alimentos frescos.

Os fãs brasileiros da Nutella enlouqueceriam se soubessem dessa: o McDonald’s vende sanduíche com esse tipo de creme de avelã na Itália. Chamado de Sweety, ele é feito com pão doce recheado de Nutella.

Entre os queijos mais consumidos pelos italianos estão o gorgonzola, o parmesão, o pecorino, o provolone e a mussarela. Apesar de ser produzida em todo o mundo com leite de vaca, a verdadeira mussarela italiana é originalmente feita com leite de búfala.

O queijo gorgonzola recebeu esse nome porque é originário de Gorgonzola, perto de Milão. Sua principal característica é a presença de fungos, que são injetados durante o processo de maturação.

Um dos alimentos mais antigos consumidos pelos italianos é a polenta. Era já era conhecida dos legionários romanos, embora fosse naquele tempo preparada com aveia. A polenta feita com farinha de milho só passou a ser produzida depois da descoberta da América (detalhe: assim como o tomate, a batata e o chocolate, o milho é originário do continente americano).

Os maiores consumidores mundiais do macarrão não são os italianos, mas os chineses e os indonésios. Detalhe: existem diversos tipos de macarrões na China, desde o lámen até o macarrão de arroz.

Uma pesquisa feita com 16 mil pessoas de diferentes nacionalidades revelou qual o prato preferido da humanidade: o macarrão. Entre os preferidos dos brasileiros estão a lasanha, o macarrão e a pizza.

Fontes: Wikipédia, Intercâmbio4us, Huffpost Brasil, Cláudia.com, GNT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *