290 Programas imperdíveis em São Paulo

290 Programas imperdíveis em São Paulo
  1. Provar o bolinho de bacalhau e o chope do Bar do Léo, que desde 1 940 sai religiosamente abaixo de zero grau e com colarinho, na rua Aurora, 100, em Santa Ifigênia.

 

  1. Experimentar os docinhos de festa da doceira Di Cunto (que funciona desde 1 935), na rua Borges de Figueiredo, 61, na Mooca.

 

  1. Devorar uma pizza calabresa no Castelões, na rua Jairo Góes, 126, no Brás, com um bando de amigos.

 

  1. Almoçar nas bancas de comidinhas da feira de antiguidades que acontece aos sábados na praça Benedito Calixto, em Pinheiros.

 

  1. Deliciar-se nas cantinas da Praça Dom Orione, no Bexiga, depois de passar a manhã de domingo entre as barracas da feirinha de antiguidades.

 

  1. Circular pelas bancas do Mercado Municipal, na Avenida do Estado, e consumir, sem preocupações com os excessos, o pastel de bacalhau e o sanduíche de mortadela, além de toda a sorte de guloseimas que encontrar pela frente.

 

  1. Comer duas das especialidades do Bar Sujinho, o frango caipira e a “chuleta”, a qualquer hora da madrugada. A salada de repolho já faz parte do couvert. Rua da Consolação, 2 063.

 

  1. Aproveitar as noites de verão e tomar um sorvete italiano de frutas frescas numa mesa ao ar livre da sorveteria Stuppendo, na Rua Canário, 1 321, Moema.

 

  1. Tomar vários copos de mate com leite espumante ou suco de frutas no Rei do Mate da avenida São João, 530 ou em qualquer uma das mais de 100 unidades da franquia espalhadas por São Paulo.

 

  1. Comer qualquer item do cardápio árabe do Almanara da rua Basílio da Gama, 70, no Centro.

 

  1. Ir ao brunch do Empório Santa Maria, na avenida Cidade Jardim, 790, aos sábados e domingos.

 

  1. Dar um pulinho no Rancho da Empada, na Rua Sena Madureira, 357, na Vila Mariana. As empadas de camarão e palmito são inigualáveis.

 

  1. Provar o penne com melão e presunto cru e curtir o público moderno do Spot, na rua Ministro Rocha Azevedo, 72.

 

  1. Deleitar-se com os quindins, cocadas e beijinhos da Doceira Modelo, na rua Padre Raposo, 79, na Mooca.

 

  1. Experimentar o tradicional bauru do Ponto Chic do Largo Paissandu, Centro.

 

  1. Deliciar-se com os sundaes e bananas splits da sorveteria Alaska. Ela tem nada mais nada menos que 96 anos! A Alaska fica na rua Dr. Rafael de Barros, 70, no Paraíso.

 

  1. Experimentar os sorvetes com ingrediente típicos da Amazônia na Sabor da Cor. Tem sorvete de murIci, bacuri, cupuaçu, açaí, tapioca… Fica na av. Tarumã, 378, Vila Pierina.

 

  1. Começar bem o dia com um café da manhã na padaria Blés d’Or, em Moema. O buffet é de encher os olhos e o estômago. Fica na rua Tuim, 653.

 

  1. Deliciar-se com os bolos e pães preparados pelos monges do Mosteiro de São Bento. O Bolo Santa Escolástica é a melhor pedida.

 

  1. Antes de comprar os pães, assistir a missa com cantos gregorianos. Até quem não é católico gosta de acompanhá-las. A missa ocorre todos os domingos às 10h da manhã.

 

  1. Provar qualquer prato do Gigetto, na rua Avanhandava, 63, Bela Vista.

 

  1. Comer as deliciosas empanadas e curtir o agitado ambiente do Bar das Empanadas, na rua Wisard, 489, na Vila Madalena.

 

  1. Provar o sensacional filé coberto com alho do Rei do Filé da praça Júlio de Mesquita, no centro da cidade.

 

  1. Conferir toda a tradição do Capuano, restaurante italiano fundado em 1 912. Fica na rua Conselheiro Carrão, 416, no Bexiga.

 

  1. Degustar a dobradinha pastel de feira com caldo de cana em qualquer feira livre da cidade – de preferência na do Pacaembu (!!), que acontece de segunda a sábado em frente ao estádio.

 

  1. Comer um beirute com pão super crocante num dos três endereços do Frevinho. Um deles fica no shopping Iguatemi.

 

  1. Experimentar o melhor da culinária peruana – inclusive o tradicional ceviche – no restaurante La Mar Cebicheria. Endereço: rua Tababupã, 1 410, Itaim Bibi.

 

  1. Tomar café expresso com pão de queijo no Café Girondino, ao lado do Mosteiro de São Bento. Rua Boa Vista, 365.

 

  1. Comer até se empaturrar no rodízio da churrascaria Fogo de Chão, na avenida Moreira Guimarães, 964, em Moema.

 

  1. Tentar descobrir quem tem a melhor esfiha, o Jaber ou o Catedral. Os dois ficam quase lado a lado, na rua Domingos de Morais, no Paraíso – o Jáber no número 86 e o Catedral no 54.

 

  1. Provar o porpettone com mussarela do Jardim de Napoli, na Rua Dr. Martinico Prado, 463, em Higienópolis.

 

  1. Aproveitar a visita ao Parque D. Pedro, no Centro, para conhecer o Espaço Catavento. A ala com brinquedos que ensinam física é imperdível.

 

  1. Tomar um breakfast supernatureba no Parque da Água Branca aos sábados de manhã e aproveitar para visitar a feirinha de produtos orgânicos local.

 

  1. Esperar o mês de setembro para visitar a feira Revelando São Paulo, no mesmo Parque da Água Branca. Tem artesanato e comidas típicas de todas as regiões do estado de São Paulo.

 

  1. Deliciar-se com as bombas recheadas com chocolate branco da Doceria Cristallo. Rua Oscar Freire, 914 e outros endereços.

 

  1. Correr para a Vila Madalena para comer (quase ao ar livre) em algum dos pontos mais concorridos do bairro, como o Bar do Sacha, o Consulado Mineiro ou o Jacaré!!!!

 

  1. Experimentar a pizza do Pedaço da Pizza. O melhor: fica aberto até altas horas da madrugada. Fica na Rua Augusta, 2931.

 

  1. A mesa absurdamente farta da As Noviças. Nessa casa de chá em Moema, o cliente paga um preço fixo e tem direito a pães, bolos, salgadinhos, doces, chás, sucos… Endereço: avenida Miruna, 442, Moema.

 

  1. Assistir a um concerto na Sala São Paulo, na antiga estação Júlio Prestes, que tem uma das melhores acústicas da América Latina.

 

  1. Assistir a uma peça, um balé ou um concerto no Teatro Municipal.

 

  1. Assistir a qualquer filme na Sala Cinemateca, que fica no antigo matadouro da Vila Mariana, na rua Senador Raul Cardoso, 207.

 

  1. Ir ao Teatro Alfa, ao lado da ponte Transamérica da marginal Pinheiros, para curtir qualquer um dos espetáculos sensacionais que acontecem no local. R. Bento Branco de Andrade Filho, 722.

 

  1. Apreciar o fantástico acervo permanente do MASP. Avenida Paulista, 1 578.

 

  1. Ir a um ensaio da escola de samba Vai Vai. A quadra fica na Praça 14 Bis, no Bexiga.

 

  1. Conferir a programação do Centro Cultural Banco do Brasil, na rua Álvares Penteado, 112, Centro.

 

  1. Assistir os clássicos e filmes alternativos do Espaço Itaú, reduto dos cinéfilos paulistanos. Fica na Rua Augusta, 1 475, Consolação. Tem também no shopping Frei Caneca, com filmes mais comerciais.

 

  1. Conferir as obras de arte do MAM (Museu de Arte Moderna), que fica dentro do Parque do Ibirapuera, e do MAC (Museu de Arte Contemporânea), no antigo Detran.

 

  1. Conhecer o Museu Lasar Segall, que funciona no imóvel que serviu de residência ao artista até sua morte, em 1 932, na rua Berta – que abriga as primeiras construções modernistas do Brasil.

 

  1. Visitar o Museu de Arte Sacra, na avenida Tiradentes, 676, e…

 

  1. …aproveitar o passeio para conhecer a Pinacoteca do Estado, também na avenida Tiradentes. A entrada é gratuita aos sábados.

 

  1. E (por que não?) aproveitar para admirar o belo Parque da Luz, que fica atrás da Pinacoteca.

 

  1. Aliás, já que você estará nas imediações, que tal aproveitar para fazer algumas compras nas lojas de vestuário da rua José Paulino, no Bom Retiro?

 

  1. Conhecer o magnífico Centro Cultural do Liceu de Artes e Ofícios, na Rua da Cantareira, 1 351, fundado em 1 873.

 

  1. Manter-se antenado na programação eclética do Sesc Pompeia, na rua Clélia, 93 – Pompeia.

 

  1. Procurar preciosidades na biblioteca Mário de Andrade, na Praça Dom José Gaspar.

 

  1. Conhecer a biblioteca de artes da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP.

 

  1. Visitar o belo (e pouco conhecido) Teatro São Pedro, construído em 1917. Fica na Rua Barra Funda, 171.

 

  1. Levar as crianças na Sala Disney do Cinemark do Shopping Santa Cruz. Rua Domingos de Morais, 2 564, na Vila Mariana.

 

  1. Conhecer o Teatro Oficina, na rua Jaceguai, 520, epicentro de vários manifestos nos anos 60.

 

  1. Conferir a biblioteca do Centro Cultural São Paulo, na rua Vergueiro, 1 000.

 

  1. Conferir a programação de teatro e artes visuais do mesmo CCSP.

 

  1. Sentir-se num pedacinho do Japão no bairro da Liberdade. O ideal é fazer a visita aos sábados e domingos, quando acontece a feirinha do bairro.

 

  1. Passear pela Praça Vilaboim, em Higienópolis, no sábado à tarde, com direito a uma parada estratégica na banca de jornal.

 

  1. Conferir a vista inesquecível do Bar do Jockey, na avenida Lineu de Paula Machado, 1 263.

 

  1. Conhecer o magnífico bar do hotel Unique e sua vista privilegiada de São Paulo. Chama-se Skye e fica na avenida Brigadeiro Luís Antônio, 4 700, Jardim Paulista.

 

  1. Ir ao Parque do Ibirapuera, na avenida República do Líbano, em um dia ensolarado. Aproveitar para alugar uma bike para dar uma volta no local.

 

  1. Tomar chá da tarde na Fundação Maria Luiza e Oscar Americano, na avenida Morumbi, 4 077, uma das boas coisas do Morumbi.

 

  1. Conhecer o Museu da Casa Brasileira, na avenida Faria Lima, 2 705.

 

  1. Suar na pista underground do já tradicional clube A Lôca, na rua Frei Caneca, 916, Bela Vista.

 

  1. Visitar a Catedral da Sé e dar uma voltas na praça de mesmo nome.

 

  1. Matar o tempo no bar do Cinesesc, na rua Augusta 2.075, antes do filme começar.

 

  1. Abastecer-se de produtos naturais e integrais visitando o Charmoso Empório Natural Laporta, situado no Bairro da Mooca, na Rua Dias Leme, 323 – fone (11) 2076-3761.

 

  1. Ir às festas gênero “mamma mia” das igrejas Achiropita, na rua 13 de Maio, 478, na Bela Vista (realizada aos finais de semana do mês de agosto); São Vito, na rua Poliana Amare, 51, no Brás (no dia 15 de junho); e São Genaro (no dia 19 de setembro), na Mooca.

 

  1. Encostar o carro na Praça do Pôr do Sol, no Alto de Pinheiros, no finalzinho de uma tarde de verão. A vista é fantástica!

 

  1. Ficar por dentro dos últimos lançamentos e tomar um cafezinho na Livraria da Vila, na rua Fradique Coutinho, 915, na Vila Madalena.

 

  1. Ou checar os últimos lançamentos e tomar um cafezinho na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, na Avenida Paulista.

 

  1. Testemunhar um casamento nas charmosas capelas São José, na rua Dinamarca, no Jardim Europa, e São Pedro e São Paulo, na rua Pe. José Glieco, 111, no Morumbi.

 

  1. Mergulhar no universo paralelo criado pelas habitués do shopping Cidade Jardim.

 

  1. Visitar o Museu da Imigração e tentar descobrir as suas origens. Fica na rua Visconde de Parnaíba, 1 316, na Mooca.

 

  1. Meditar no templo zen da rua São Joaquim, 273, na Liberdade.

 

  1. Meditar no enorme templo Zu Lai, em Cotia, a poucos quilômetros de São Paulo. Estrada Municipal Fernando Nobre, 1 461.

 

  1. Visitar a livraria FNAC da Paulista e ficar embasbacado com a enorme oferta de produtos e gadgets eletrônicos. Avenida Paulista, 901.

 

  1. Aproveitar um cineminha no Reserva Cultura, no prédio da Rede Gazeta. O endereço é Avenida Paulista, 900.

 

  1. Embarcar num programa em família no Zoo Safári (antigo Zoo Safári), que agora está menos emocionante, com os animais presos, mas ainda vale uma visita. Av. do Cursino, 6 338.

 

  1. Dar um pulinho até a Zona Sul para conhecer o Autódromo de Interlagos. E aguardar ansioso pelo GP Brasil de Fórmula 1. Fica na avenida Senador Teotônio Vilela, 167.

 

  1. Subir até o alto da Serra da Cantareira para conhecer a Pedra Branca e as trilhas do Parque Estadual, além de admirar a vista da cidade. Rua do Horto, 931. Mas…

 

  1. Não sem antes dar algumas voltas no maravilhoso Horto Florestal, que fica ao lado.

 

  1. Conhecer o serpentário e o museu do Instituto Butantã, além de passear entre as suas árvores. O endereço é avenida Vital Brasil, 1 500, Butantã.

 

  1. Assistir a um clássico no Estádio do Pacaembu, na Praça Charles Müller, s/nº.

 

  1. Fazer um pit stop na boate Nostro Mundo, na Rua da Consolação, 2554 – ponto partida da São Silvestre Gay. Telefone: (11) 3259-2945.

 

  1. Caminhar pela Avenida Odila, no Planalto Paulista, famosa por suas árvores frutíferas como jaboticabeiras e cerejeiras.

 

  1. Ver “relíquias”, como a mala do Crime da Mala, encontradas no Museu do Crime, na Praça Reinaldo Porchat, 219, Cidade Universitária.

 

  1. Já que estamos falando de programas do “outro mundo”, veja esse: perder-se entre os túmulos do Cemitério do Araçá e, assim, conhecer a história da cidade. Pode parecer estranho, mas é muito interessante.

 

  1. Passear e conhecer de carro pelos armazéns antigos da Avenida Presidente Wilson, entre os bairros do Ipiranga e da Mooca.

 

  1. Fugir para algum motel da Marginal Tietê quando a chuva começa a apertar e o trânsito a ficar complicado.

 

  1. Conhecer o Museu do Autorama, na rua Filisbino dos Santos, 395, Chácara Inglesa. Se você for fanático por carrinhos, não terá mais coragem de sair de lá.

 

  1. Passar o sábado nas feirinhas da Praça Benedito Calixto como a de antiguidades e a Como Assim?, em Pinheiros, e depois tomar um drink em um dos bares que ficam nas proximidades.

 

  1. Observar as vitrines sofisticadas do shopping Iguatemi, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2 232 e, no final, experimentar os sucos exóticos do Urban Remedy na praça de alimentação.

 

  1. Aproveitar as barracas típicas da Festa do Imigrante, que acontece uma vez por ano no Museu da Imigração. Endereço: rua Visconde de Parnaíba, 1 316, Mooca.

 

  1. Entrar no embalo das noites regadas a litros de chopp no Bar Pirajá, na rua Nova Faria Lima, 64, em Pinheiros.

 

  1. Passear de bicicleta em pleno Minhocão. Nos finais de semana, o trânsito de veículos é proibido no local. Se não tiver bicicleta, é possível alugar uma por lá.

 

  1. Conhecer os teatros da Praça Roosevelt, no Centro. Experimente o Espaço Parlapatões.

 

  1. Lambuzar-se com os churros embebidos na calda de chocolate da Casa do Churro. Fica no Tatuapé, mais propriamente na rua Rodrigues Barbosa, 232.

 

  1. Curtir o verde do pequeno mas simpático Parque da Aclimação, na rua Muniz de Souza, 1 119, na Aclimação.

 

  1. Passar a noite de sábado na Vila Olímpia, cujos bares e boates reúnem a maior concentração de mauricinhos e patricinhas por metro quadrado da capital paulista.

 

  1. Assistir um jogo do Juventus no estádio da rua Javari, na Mooca.

 

  1. Visitar uma das lojas Etna para se maravilhar com seus produtos de decoração sofisticados e originais.

 

  1. Aproveitar a tranqüilidade do Parque Siqueira Campos, mais conhecido como Trianon, um pedacinho de Mata Atlântica em plena Avenida Paulista.

 

  1. Aproveitar também para conhecer o novo Parque Mário Covas, na avenida Paulista, esquina com a Ministro Rocha Azevedo.

 

  1. Conhecer a feirinha Como Assim? no Center 3 da avenida Paulista. A feirinha acontece aos domingos.

 

  1. Experimentar os doces e salgados típicos da Bulgária – inclusive a imperdível bureka – da Casa Búlgara, na rua Silva Pinto, 356, Bom Retiro.

 

  1. Pegar o trem na Luz em direção a Rio Grande da Serra e, lá, embarcar no ônibus para Paranapiacaba.

 

  1. Passar o dia nas trilhas de Paranapiacaba.

 

  1. Apreciar os sushis, sashimis e shimejis (imperdíveis) no balcão do japonês Nakombi, com vários endereços em São Paulo e no ABC.

 

  1. Conhecer a lendária Mercearia São Pedro, na rua Rodésia, 34, Sumaré. Com mais de 45 anos de estrada, ela figurou várias vezes na lista dos melhores botecos de Sampa.

 

  1. Percorrer a via-sacra paulistana, na avenida Nazareth, Ipiranga, abarrotada de igrejas e colégios católicos.

 

  1. Já pensou em conhecer um restaurante oriental vegetariano? Com seus sushis vegetarianos, o restaurante Lotus fica na rua Brigadeiro Tobias, 420, Santa Ifigênia.

 

  1. Ir aos jardins do Museu do Ipiranga, na avenida Nazaré, s/n, e fazer de conta que está no Jardim de Luxemburgo, em Paris.

 

  1. Aproveitar para conhecer o Museu de Zoologia da USP, que fica atrás do Museu do Ipiranga. Avenida Nazaré, 481.

 

  1. Conhecer a trilha das boates baixo nível e o caos arquitetônico da Amaral Gurgel, bem embaixo do Minhocão. Dá medo, mas é interessante.

 

  1. Andar de bicicleta por bairros mais tranqüilos e arborizados, como o Alto da Lapa ou o Jardim Europa.

 

  1. Pegar os domingos para pedalar do Parque do Ibirapuera ao Parque do Povo.

 

  1. Mergulhar no mar de flores do Ceagesp, na rua Gastão Vidigal, 1 946, de preferência na sexta-feira de manhã, quando os preços são bem mais em conta e o movimento menor.

 

  1. Dar uma voltinha no Parque Villa-Lobos. Avenida Prof. Fonseca Rodrigues, 1 655, Alto de Pinheiros.

 

  1. Dar uma voltinha no Parque Burle Marx, na avenida Dona Helena Pereira de Morais, 200, no Morumbi.

 

  1. Em qualquer passeio de metrô, fazer uma parada estratégica na estação República para observar os painéis de Antônio Peticov.

 

  1. Curtir a feirinha de artes e artesanato que ocorre aos domingos na Praça da República.

 

  1. Matar saudades da infância na Galeria dos Brinquedos, um lugar onde boa parte das lojas vende brinquedos antigos. O endereço: rua Sete de Abril, 356, Centro.

 

  1. Fazer um tour histórico pela Ladeira da Memória, que fica na saída da rua Xavier de Toledo da estação Anhangabaú do metrô, e que abriga o primeiro monumento público de São Paulo: um obelisco em forma de pirâmide erguido em 1 814 (!!!).

 

  1. Pegar o primeiro domingo do mês para ir no Parque da Luz e apreciar a feira de automóveis antigos do lugar.

 

  1. Ficar boquiaberto com os contrastes do Jardim Ângela – que concentra, de um lado, mansões que abrigam parte da nata da sociedade da zona Sul e, do outro, a área considerada a mais violenta da capital paulista.

 

  1. Curtir o visual do alto do Terraço Itália (avenida Ipiranga, 344, 41º e 42º andar) durante o jantar . É de tirar o fôlego.

 

  1. Curtir o visual do alto do edifício Altino Arantes, o antigo prédio do Banespa. O endereço é Rua João Brícola, 24, Centro.

 

  1. Marcar uma visita para subir no edifíco Copan e fografar a cidade lá de cima. Avenida Ipiranga, 200.

 

  1. Visitar as lojas e tomar um cafezinho do térreo do Copan.

 

  1. Ir conhecer o Cemitério da Consolação e, com a ajuda do guia local, descobrir quem e quantos são os famosos sepultados lá. Aproveitar e tomar algumas aulas sobre arte tumular.

 

  1. Aproveitar o clima de praia da represa de Guarapiranga, na zona Sul.

 

  1. Conhecer os produtos típicos da Bolívia na feirinha que acontece nos domingos de manhã na Praça Kantuta, no Pari.

 

  1. Visitar o jardim que fica no alto do prédio da prefeitura, na Praça do Patriarca, no centro da cidade.

 

  1. Ir conhecer a Woodstock Discos, na rua Dr. Falcão, ao lado do metrô Anhangabaú. A Woodstock foi uma “meca” dos roqueiros dos anos 80.

 

  1. Visitar as lojas da Galeria do Rock, na rua 24 de Maio, 62, e aproveitar a viagem para conhecer a vizinha Galeria do Reggae e comprar todos os CDs importados que o seu bolso permitir.

 

  1. Dar uma volta, nem que seja para só para conhecer, na charmosa Galeria Nova Barão, na rua Barão de Itapetininga, no Centro.

 

  1. Fazer compras no shopping Light, junto ao Viaduto do Chá, e aproveitar para admirar a arquitetura do prédio.

 

  1. Comprar coisas absurdas na Galeria Ouro Fino, na rua Augusta, 2 690 e, se for o caso, aproveitar para investir em uma tatuagem ou em um piercing.

 

  1. Comprar flores nas bancas do Largo do Arouche.

 

  1. Se entregar a pelo menos um dia de consumo no circuito 25 de Março/Ladeira Porto Geral.

 

  1. Conferir o sortimento high-tech e as baciadas da Galeria Pajé, na região da 25 de Março.

 

  1. Comprar revistas e jornais importados na banca da esquina da avenida São Luiz com a Ipiranga, no Centro.

 

  1. Conhecer os sebos da rua Pedroso de Moraes, Pinheiros, e “esticar” na maravilhosa FNAC do bairro.

 

  1. Se perder entre as prateleiras dos sebos da Praça João Mendes, atrás da Catedral da Sé. Melhor local para isso: Sebo do Messias. O Messias fica no número 166 da João Mendes.

 

  1. Conhecer o sorvete de bolacha e outras guloseimas da sorveteria Me Gusta, na rua Augusta, 2 725, Bela Vista.

 

  1. Conferir o universo eletrônico da rua Santa Ifigênia e aproveitar o passeio para encontrar tudo, tudo mesmo, no quesito eletrônicos.

 

  1. Encarar com um sorriso nos lábios as promoções imperdíveis do Shopping D, na avenida Cruzeiro do Sul, 1 100.

 

  1. Pechinchar correntinhas, anéis e pulseiras na Rua do Ouro, também conhecida como rua Barão de Paranapiacaba, no centro da cidade.

 

  1. Fazer o circuito das lojas de decoração da alameda Gabriel Monteiro da Silva.

 

  1. Ir até a rua das noivas, ou rua São Caetano, na Luz, e encontrar tudo sobre o tema.

 

  1. Garimpar roupas antigas no bem decorado e charmoso brechó Trash Chic. Fica na Rua Carlos de Carvalho, 95, Itaim.

 

  1. Abastecer-se de produtos importados na Casa Santa Luzia, o supermercado mais chique da cidade. Fica na Alameda Lorena, 1 471, Jardins.

 

  1. Passear pelo Conjunto Nacional, na avenida Paulista, 2 073, e aproveitar para tomar um cafézinho no Viena!

 

  1. Deslumbrar-se com a arquitetura gótica do prédio que abriga a Santa Casa de Misericórdia desde 1 886. Fica na rua Cesário Motta Júnior, 112, na Vila Buarque.

 

  1. Deliciar-se com a culinária do Nordeste (baião de dois, caldinho etc) no Rancho Nordestino. Fica na rua Manoel Dutra, 498, Bela Vista.

 

  1. Deixar os preconceitos de lado e se deslumbrar com a movimentação, o colorido, a diversidade e a alegria da Parada Gay de São Paulo – ou mais propriamente Parada do Orgulho LGBT –, que sempre acontece no primeiro domingo após o dia de Corpus Christi.

 

  1. Andar da Paulista a Faria Lima, do Largo São Francisco a Paulista, enfim, fazer uma boa caminhada pela cidade. E ter histórias para contar depois.

 

  1. Aproveitar os domingos de sol no Centro, especialmente no Vale no Anhangabaú. Os finais de tarde entre os jardins do Municipal são inesquecíveis.

 

  1. Conhecer a nova biblioteca São Paulo, no Carandiru.

 

  1. Aproveitar para passear no Parque da Juventude, onde fica a Biblioteca. Acesso pelo metrô Carandiru.

 

  1. E que tal curtir o Parque da Juventude (ou Parque Esportes Radicais) de São Bernardo do Campo? É o maior complexo de pistas de skate e esportes radicais de toda a Grande São Paulo.

 

  1. Conhecer o Parque Estadual da Serra do Mar, na Estrada Velha de Santos. Dá para descer a Estrada Velha com os veículos que a natureza nos deu: as pernas.

 

  1. Visitar o Aquário de São Paulo. O aquário está localizado na Zona Sul da Cidade de São Paulo, no bairro do Ipiranga, à Rua Huet Bacelar, 407.

 

  1. Analisar a arquitetura kitsch do motel Faraós, na entrada da Via Anchieta, enquanto curte uma noite, no mínimo, bizarra.

 

  1. Prestigiar as exposições do Centro Cultural da Caixa Ecômica Federal, bem ao lado da Praça da Sé.

 

  1. Surpreender-se com o vão livre do MASP (Museu de Arte de São Paulo) e a feirinha de antiguidades que acontece lá aos domingos, na avenida Paulista, 1 578.

 

  1. Conhecer a rua Florêncio de Abreu, no Centro, e descobrir a quantidade e variedade de lojas de máquinas e ferramentas do local.

 

  1. Comprar utensílios de cozinha na rua Paula de Souza, também na região central.

 

  1. Ir no Brás para fazer compras nas ruas Müeller e Maria Marcolina.

 

  1. Visitar o planetário do Parque do Ibirapuera.

 

  1. Pegar a Régis Bittencourt só para conhecer a feirinha de Embu das Artes. Aproveitar para conhecer as fantásticas lojas de móveis rústicos da avenida Elias Yasbek, no centro de Embu.

 

  1. Percorrer a avenida Ipiranga para ter a vista mais incrível do histórico Edifício Copan, assinado por Oscar Niemeyer.

 

  1. Dar uma espiada na casa de Armando Álvares Penteado, na rua Maranhão, 86, uma das construções mais refinadas da cidade a seguir o estilo art noveau. A casa abriga atualmente as turmas de pós- graduação da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo).

 

  1. Admirar a belíssima Igreja Nossa Senhora do Brasil, na esquina da rua Colômbia com a avenida Brasil.

 

  1. Passar o dia no Jardim Zoológico, na avenida Miguel Estefano, 4 241.

 

  1. Passear num dia ensolarado no Jardim Botânico, que fica na mesma Miguel Estefano, 3 031. É um lugar ótimo para fazer um piquenique em família.

 

  1. Perder-se entre as vitrines do shopping Center Norte e, depois, visitar o Lar Center. O endereço é Travessa Casalbuono, 120, Vila Guilherme.

 

  1. Esperar com ansiedade o Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1 e pelo menos assistir aos treinos para ouvir o ronco dos motores.

 

  1. Apreciar as montagens da Broadway, no Teatro Renault, na avenida Brigadeiro Luís Antônio. Já passaram por lá espetáculos como Miss Saigon, O Fantasma da Ópera, A Bela e a Fera, O Rei Leão…

 

  1. Experimentar a paella do tradicional restaurante de cozinha espanhola Don Curro. O Don Curro é unanimidade na cidade. Endereço: rua Alves Guimarães, 230, Pinheiros.

 

  1. Já que a pedida é cozinha estrangeira… conhecer o restaurante grego Acrópoles, na rua da Graça, 364, Bom Retiro.

 

  1. Se esbaldar na pista de dança da boate Inferno, na rua Augusta, 501, Consolação.

 

  1. Comprar queijos, vinhos, azeites, grãos e temperos (muitos temperos) na rua Santa Rosa ou avenida Mercúrio, ambas nas proximidades da 25 de Março.

 

  1. Assistir shows de música sertaneja no Villa Country. Entre os ídolos que aparecem por lá estão Victor & Léo, Zezé di Camargo & Luciano… Fica na avenida Francisco Matarazzo, 774, Barra Funda.

 

  1. Aproveitar um final de tarde entre os corretores da Bovespa no bar Salve Jorge, na rua Antônio Prado, no Centro. Dá vontade de voltar sempre.

 

  1. Pegar a Bandeirantes e ir até Vinhedo só para curtir os brinquedos do Hopi Hari.

 

  1. Assistir a um dos inúmeros shows internacionais que acontecem no Allianz Parque, na Barra Funda.

 

  1. Conhecer um dos mais famosos verticais da cidade, o edifício Treme-Treme, na Rua Paim, Bela Vista.

 

  1. Pegar o carro e ir até Santo André para conhecer a rua das Figueiras, ponto da ferveção noturna da cidade.

 

  1. Conhecer o prédio do Dops – vizinho à Estação Julio Prestes, agora transformado no centro Cultural Estação Pinacoteca, e ficar arrepiado com as exposições do Memorial da Resistência. Fica no Largo General Osório, 66.

 

  1. Percorrer, a pé, a trilha das mansões das arborizadas ruas do Jardim América, um dos bairros residenciais mais charmosos da zona Sul de São Paulo. A impressão de ser a única pessoa a pé e de que está sendo vigiado o tempo todo não é muito agradável, mas vale muitíssimo a pena.

 

  1. Visitar o magnífico palacete da Vila Itororó, hoje transformado em cortiço. O acesso é feito pela rua Martiniano de Carvalho, na Bela Vista.

 

  1. Conhecer o Pátio do Colégio, no centro da cidade, onde tudo começou. Aproveitar para tomar um café no mesmo local onde o papa João Paulo II rezou uma missa quando esteve pela primeira vez no Brasil.

 

  1. Fazer o circuito dos prédios super estilosos do bairro de Higienópolis, entre as ruas Piauí e Aracaju – os Edifícios Piauí, Bretagne e Cinderela.

 

  1. Prestigiar o Tanabata Matsuri (Festival das Estrelas), que sempre ocorre no mês de julho no bairro da Liberdade.

 

  1. Comer o famoso sanduíche de pernil do Bar Estadão. O bar fica no Viaduto Nove de Julho, 193, Bela Vista.

 

  1. Ficar de queixo caído com a longa e variada carta de cervejas da Cervejoteca, na rua Sena Madureira, 479, Vila Mariana.

 

  1. Ter o prazer de conhecer uma autêntica vila napolitana na rua Vitorino Camilo, no coração da Barra Funda.

 

  1. Conferir a exuberância da cúpula da Igreja Ortodoxa, ao lado do Metrô Paraíso.

 

  1. Tentar descobrir, em um passeio a pé, se os arranha-céus da Avenida Paulista são bonitos ou horrorosos.

 

  1. Escalar o Pico do Jaraguá para espiar o visual lá de cima. Aproveitar para apreciar os animais do Parque do Jaraguá (macacos, preguiças etc).

 

  1. Conhecer o exótico Museu Contemporâneo das Invenções. Fica na rua Dr. Homem de Melo, 1 100, em Perdidez.

 

  1. Conhecer o Espaço Perfume +História, um mini-museu totalmente dedicado aos perfumes. São mais de 500 fragrâncias diferentes. Fica na rua Dr. Emílio Ribas, 110, também em Perdizes.

 

  1. Conhecer a Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Aproveitar para ir na igreja em estilo barroco que fica ao lado.

 

  1. Tomar um café no saguão do Aeroporto de Congonhas e, enquanto espera o seu vôo, apreciar os detalhes da arquitetura dos anos 50 da construção.

 

  1. Tirar uma foto do Edifício Esther, na Praça da República (tombado pelo Condephaat) e do Edifício Viadutos (com arquitetura típica dos anos 50), no final da av. São Luís.

 

  1. Tomar um café da manhã charmoso (e ainda ao ar livre) na padaria Julice Boulangére, em Pinheiros. Fica na rua Dep. Lacerda Franco, 536.

 

  1. Conhecer o Palácio dos Campos Elíseos, que foi sede do governo do Estado. Fica na avenida Rio Branco, 1269.

 

  1. Visitar o Edifício Parque das Hortências, na av. Angélica, ícone dos anos 50!

 

  1. Visitar o Prédio da Bienal, no Ibirapuera, de preferência em dia de evento.

 

  1. Ir até a sinagoga Beth-el, na rua Martinho Prado, 175.

 

  1. Surpreender-se com o tamanho e a arquitetura impressionante do Tribunal de Justiça, ao lado da Catedral da Sé.

 

  1. Descer a famosa escadaria da rua Cristiano Vianna, no bairro de Pinheiros, que desemboca na rua Cardeal Arcoverde.

 

  1. Entrar no pátio entre os prédios antigos da PUC (Pontifícia Universidade Católica), na rua Monte Alegre, em Perdizes, para se entregar ao ócio enquanto observa cada um dos detalhes de sua arquitetura.

 

  1. Visitar o Solar da Marquesa, ao lado do Pátio do Colégio, para ver um pouco da arquitetura colonial, típica de cidades históricas como Parati.

 

  1. Circular pelo jardim interno da Universidade São Marcos, que lembra um claustro, na avenida Nazareth, Ipiranga.

 

  1. Atravessar o viaduto Santa Ifigênia, agora livre dos camelôs.

 

  1. Descer na estação Santa Cruz do metrô só para observar os traços de dois dos colégios que fizeram sucessos nos anos dourados: o Arquidiocesano e o Madre Cabrini.

 

  1. Encantar-se com a bela arquitetura e magnifícos azulejos da mesquita da Vila Joaniza, região de Congonhas.

 

  1. Visitar a Casa do Bandeirante e conhecer um bocado do Brasil Colonial. Endereço: Praça Monteiro Lobato, s/nº, Butantã.

 

  1. Levar as crianças para se divertir na Estação Ciência, na Lapa. É um ótimo passeio “também” para os adultos. A Estação fica rua Guaicurus, 1 274, Lapa.

 

  1. Conhecer o acervo e a programação do MIS, o Museu da Imagem e Som, na avenida Europa, 158.

 

  1. E já que vai estar por ali… conhecer também o MUBE, Museu Brasileiro da Escultura, também na avenida Europa.

 

  1. Pegar o sistema Anhanguera-Bandeirantes para curtir uma tarde de calor no parque aquático Wet’n Wild, em Itupeva.

 

  1. Fazer uma bela caminhada e praticar esportes no Parque Ecológico do Tietê. O endereço é rua Guirá Acangatara, 70 , Eng. Goulart, próximo do Bairro Cangaíba.

 

  1. Pegar a Rodovia dos Bandeirantes só para conhecer o maravilhoso parque aquático, Wet’n’Wild.

 

  1. Ou pegar a Anchieta para, de uma só vez, conhecer os estúdios Vera Cruz e a vizinha Cidade da Criança, ambos em São Bernardo do Campo.

 

  1. Conhecer o “classic” Bar Brahma, na famosa esquina da Ipiranga com a São João.

 

  1. Conhecer o Bar Brahma no Campo de Marte, ao lado do Anhembi, e apreciar o sobe-e-desce de pequenos aviões.

 

  1. Esperar as festas juninas só para curtir uma das inúmeras quermesses da cidade, como as do Sesc e Sesi.

 

  1. Visitar o Palácio dos Bandeirantes e descobrir que a sede do governo estadual também é um belo museu de arte. O Palácio fica na avenida Morumbi, 4 500, no bairro do Morumbi.

 

  1. Visitar o Cine Marabá, na avenida Ipiranga, Centro, e se dar conta de que os cinemas de rua ainda tem muito charme.

 

  1. Aguardar com ansiedade o carnaval só para sair em um dos inúmeros blocos de rua da cidade. São centenas de blocos para escolher!!

 

  1. Aguardar com ansiedade ainda maior o carnaval só para ir ao sambódromo para desfilar em uma das inúmeras escolas de samba de São Paulo: Vai-Vai, Camisa Verde e Branco, Nenê da Vila Matilde, Rosas de Ouro…

 

  1. Maravilhar-se com as exposições (e a própria arquitetura) do Instituto Tomie Ohtake. Rua dos Corupés, 88, Pinheiro.

 

  1. Nunca perder uma Bienal do Livro. Ainda que a maioria dos livros sejam mais caros do que nas livrarias, sempre vale a pena visitá-la.

 

  1. Aproveitar as tardes de sol para tomar um suco na banca de frutas do final de avenida Paulista.

 

  1. Tomar um café espresso no mais do que charmoso Urbe Café, na rua Antônio Carlos, 404, na Consolação.

 

  1. Conhecer o Memorial da América Latina, projetado por Oscar Niemeyer. A construção foi erguida em 1 989 e não caiu até hoje nas graças dos paulistanos – que a consideram pouco convidativa. Em frente à estação Barra Funda do metro.

 

  1. Observar a trilha de palacetes da década de 30 no bairro do Ipiranga, na rua Bom Pastor.

 

  1. Ir até a Vila Economisadora (com “s” mesmo), na rua São Caetano, para conferir como viviam os operários no início do século XX.

 

  1. Ir até o prédio do TRT, na Barra Funda, e verificar até onde a corrupção tem relação direta com a arquitetura. Lembra-se do juiz “Lalau”?

 

  1. Surpreender-se com a atmosfera pós-moderna dos edifícios da Avenida Luís Carlos Berrini, no Brooklin.

 

  1. Fazer seus pedidos ao santo das soluções imediatas na Igreja de Santo Expedito, na rua Jorge Miranda, 264, perto da estação Tiradentes do metrô.

 

  1. Visitar a Bovespa e descobrir como funciona o pregão da Bolsa de Valores. Melhor ainda: visitar a Bovespa e descobrir que qualquer cidadão pode investir em ações.

 

  1. Fazer caminhadas no Parque Cidade de Toronto. O parque fica na rua Cardeal Mota, 84, em Pirituba.

 

  1. Passar uma tarde agradável na agradável Praça Victor Civita. O endereço é Avenida Nações Unidas, 7 124.

 

  1. Visitar o shopping Market Place e depois atravessar a passarela para visitar o vizinho shopping Morumbi (ou a melhor praça de alimentação da cidade). O shopping fica na avenida Dr. Chucri Zaidan, 902, no Brooklyn.

 

  1. Ir no Museu Afro-Brasil, no Parque do Ibirapuera e voltar com a certeza de que ele está longe de ser um “museu de gueto”.

 

  1. Conhecer a Igreja da Terceira Ordem do Carmo, que data de 1 804. Uma igreja em estilo barroco em plena região central. Ela fica ao lado da Praça da Sé.

 

  1. Visitar a Igreja de São Gonçalo, do século XIX, na Praça João Mendes.

 

  1. Experimentar a mais do que famosa picanha fatiada do Bar do Juarez, na avenida Jurema, 630, em Indianópolis.

 

  1. Conhecer a badalada Praça Vilaboim, em Higienópolis, e experimentar a picanha-aperitivo do Bar da Praça, que fica no número 65.

 

  1. Peregrinar pelo menos uma vez na vida ao Bar do Bolinha e comer a melhor feijoada da cidade. O Bolinha fica na avenida Cidade Jardim, 53, Itaim Bibi.

 

  1. Se esbaldar com os pratos da cantina Famiglia Mancini, na famosa rua Avanhandava, na famosa região do Bexiga.

 

  1. Ir até o Jardim Paulista só para experimentar o hambúrguer do Ritz. O Ritz fica na Alameda Franca, 1 088.

 

  1. Assistir a uma partida de futebol no maior estádio da cidade, o Morumbi.

 

  1. Rir um pouco com a estátua totalmente desproporcional de Duque de Caxias (incrivelmente assinada por Victor Brecheret) plantada na avenida Rio Branco, em Campos Elíseos.

 

  1. Rir bastante com a ainda mais desproporcional estátua de Borga Gato, na avenida Santo Amaro.

 

  1. “Amanhecer” na Liberdade em pleno 31 de dezembro, último dia do ano, só para participar da Festa do Bolinho da Prosperidade (o moti).

 

  1. Assistir a uma, duas, três, quatro ou até mais filmes da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e atestar que existem vida inteligente além do cinema norte-americano. A Mostra ocorre quase sempre no mês de outubro.

 

  1. Encantar-se com a fachada do Teatro Cultura Artística, que ostenta um imenso painel de Cândido Portinari. Fica na rua Nestor Pestana, 196, Centro.

 

  1. Experimentar a culinária alemã num dos inúmeros restaurantes típicos, entre eles o tradicional Windhuk, na Alameda dos Arapanés, 1 400, em Moema. Acredite se quiser, mas ele foi inaugurado há mais de 70 anos.

 

  1. Conferir a imensidão do Vale do Anhangabau de cima do Viaduto do Chá.

 

  1. Bater perna na avenida Paulista em uma tarde de domingo só para passar o tempo.

 

  1. Visitar o prédio histórico dos Correios, no vale do Anhangabaú (hoje é um Centro Cultural).

 

  1. Posar para uma foto em frente ao Monumento às Bandeiras – também conhecido como “Deixa que eu empurro” – de Victor Brecheret, em frente ao parque do Ibirapuera.

 

  1. Curtir um dos cenários mais realistas da vida em São Paulo: o emaranhado de prédios que se vê a partir do bairro da Bela Vista.

 

  1. Visitar a Rota dos restaurantes em São Bernardo do Campo só para conhecer o seu famoso frango com polenta frita. A entrada fica no quilômetro 23 da Via Anchieta, Bairro Demarchi.

 

  1. Visitar o Paço da Artes e todos os outros museus da cidade universitária na USP.

 

  1. Ir na Damp Sorvetes só para experimentar seus sabores exóticos. Tem sorvete de água de rosas, lavanda, queijo brie com damasco, queijo cuia com melaço de cana…Um dos endereços é na rua Lino Coutinho, 983, Ipiranga.

 

  1. Se empaturrar com as deliciosas especialidades mexicanas do já tradicional El Kabong Grill, na rua Mateus Grou , 15, Pinheiros.

 

  1. Conhecer o Eataly, o paraíso da gastronomia italiana. Além de um mercado com itens da gastronomia, ele oferece nada menos que sete restaurantes temáticos, duas cafeterias e uma sorveteria. Avenida Pres. Juscelino Kubitschek, 1 489, Vila Nova Conceição.

 

  1. Deliciar-se com os irresistíveis sorvetes da Häagen Dasz. A loja mais charmosa da rede fica na rua Oscar Freire, 900, Jardins.

 

  1. Experimenter o Café Latte ou Mocha Frappuccino do Starbucks da Alameda Santos, 1054 ou de um dos inúmeros endereços Starbucks da cidade.

 

  1. Comer espetinhos Mimi em eventos e festas. E não tem como não deixar de comer: quase todo grande evento na cidade tem uma barraca da Mimi.

 

  1. Almoçar em um dos inúmeros restaurantes ou lanchonetes da Alameda Santos, via que é paralela a Paulista.

 

  1. Visitar a Casa das Rosas, que abriga o Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, na av. Paulista, 37.

 

  1. Conhecer a feira de antiguidades que acontece todos os domingos no vão do Masp, na av. Paulista, 1 578.

 

  1. Curtir uma aventura radical em meio à Mata Atlântica na reserva Capivari-Monos, Zona Sul da cidade.

 

  1. Conhecer o Museu da Língua Portuguesa, que está localizado no centenário prédio da Estação da Luz, na Pça. Da Luz.

 

  1. Visitar o Parque do Carmo na época da floração das cerejeiras. É um dos mais belos visuais e mais agradáveis passeios da cidade.

 

  1. Conhecer o Museu dos Transportes, na avenida Cruzeiro Sul, pertinho do shopping D.

 

  1. Visitar o belíssimo Solo Sagrado, na represa do Guarapiranga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *