15 Tópicos para você entender quem foi Alexandre, o grande

15 TÓPICOS PARA VOCÊ ENTENDER QUEM FOI ALEXANDRE, O GRANDE

1. Alexandre nasceu provavelmente no ano 356 antes de Cristo, na cidade de Pela, capital do antigo reino da Macedônia.

2. Era filho de Filipe II, rei da Macedônia. Filipe reorganizou o seu exército e criou a falange macedônica – uma unidade com soldados com lanças até 3 metros maiores do que as comuns – com o intuito de conquistar a Grécia e posteriormente a Ásia Menor, região que na época estava em poder dos persas.

3. Depois de conquistar os ilírios, os trácios e os peônios, Filipe lançou-se na conquista da Grécia. Aproveitou-se que as cidades-Estado gregas estavam em decadência para derrotá-las na batalha de Queroneia. Dois anos depois, ele seria assassinado por um dos seus guarda-costas.

4. Podemos citar entre os feitos de Filipe II a unificação das cidades-Estado gregas e a paz duradoura entre elas. Pela primeira vez na história, a Grécia tornava-se uma confederação. Até então, ela era um conjunto de mini-Estados que vez ou outra entravam em conflito, entre os quais Atenas, Esparta e Tebas.

5. Alexandre foi educado até o 16 anos por ninguém menos que Aristóteles. Nascido na cidade de Estagira, o filósofo deixou escritos que abrangem diversos assuntos: biologia, física, metafísica, ética, política, drama e poesia. Aristóteles foi ao lado de seus predecessores Platão e Sócrates, um dos fundadores da filosofia ocidental.

6. Alexandre herdou um reino unificado e um exército forte, com o qual resolveu dar continuidade aos planos imperialistas de seu pai. Com a frase “Nada mudou, exceto o nome do rei”, lançou-se em suas empreitadas no território asiático.

7. Dizem que quando destruiu a cidade de Tebas, um dos últimos bastiões resistentes na Grécia, Alexandre deixou apenas apenas a residência do poeta Píndaro em pé.

8. Em 334 antes de Cristo, Alexandre dominou a Ásia Menor (correspondente ao atual território da Turquia) e em seguida a Fenícia, Síria, Palestina, Egito e Império Persa. Menos de setes anos depois, chegou ao atual território da Índia.

9. O Império de Alexandre só perdia em extensão para o romano, sendo o segundo maior da antiguidade. Começava no norte da Grécia e terminava no que hoje é o norte da Índia. Abrangia territórios de países conhecidos atualmente como Turquia, Líbano, Síria, Iraque, Irã, Paquistão e Afeganistão.

10. Fundou cerca de 20 cidades que levavam o seu nome, sendo a mais conhecida a egípcia Alexandria. Foi nela que viveu a rainha Cleópatra, descendente de um de seus generais. Foi também em Alexandria que surgiu a famosa biblioteca e o grande farol.

11. Permitiu que apenas três artistas fizessem seu retrato: o escultor Lisipo, o lapidor de pedras preciosas Pirgoteles e o pintor Apeles. As cópias deixadas por Lisipo e as descrições da época definem Alexandre como um homem baixo (provavelmente 1,50 metros de altura), com cabelos longos cacheados, barba rala e pele clara com tons avermelhados no rosto.

12. Alexandre tinha uma obsessão pela Ilíada, do poeta Homero. Considerava-o um manual de guerra e levava um exemplar em todas as suas campanhas. Costumava mantê-lo sob o travesseiro juntamente com um punhal. Quando conquistou a Ásia Menor, fez questão de conhecer as ruínas da lendária cidade de Troia.

13. Foi na capital de seu imenso Império, a cidade da Babilônia, que Alexandre morreu em 323 antes de Cristo, vítima de uma febre (alguns cientistas suspeitam que tenha sido malária).

14. O Império foi disputado por seus generais, que lutaram entre si. Ao final, ele foi dividido entre Seleuco (que ficou com a Pérsia, Mesopotâmia e Síria), Cassandro (que ficou com a Macedônia e Grécia), Lisímaco (Ásia Menor e Trácia) e Ptolomeu (Egito).

15. Uma das principais consequências da conquista do Egito e Oriente foi a fusão da cultura grega com as culturas locais, dando origem ao que os historiadores chamam de helenismo. Houve uma intensificação do comércio e grande valorização das artes e ciências. Até a conquista do Oriente pelos romanos, a cultura helênica foi predominante na região.

No Egito, floresceu a dinastia dos ptolomeus, que ajudou a fundir a cultura local com a grega. Até hoje são encontrados por lá vestígios de templos gregos e até múmias com feições de povos europeus.

Fontes: Wikipédia, História Geral – Antiga e Medieval, Pesquisas de Conhecer, National Geographic Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *